quarta-feira, 15 de maio de 2013

REIKI

Reiki é a energia Vital do Universo, a essência que permeia e mantém todas as coisas: 
É o Divino que se manifesta em toda a criação.

Reiki é uma palavra de origem japonesa composta por duas sílabas: 


Rei - força cósmica 

Ki - energia vital (presente em tudo o que é vivo)

O Ki (lê-se tchi) é a energia que mantém nosso corpo físico, que flui através dos chacras e meridianos. Uma porção dela permanece em repouso no chacra do umbigo, recebendo diversos nomes, como o Ki acima, energia pré-natal, prana entre outros.

A aplicação do Reiki é o processo de encontro dessas duas energias: a universal e a que preenche nossa porção física. Isto é possível através da captação ilimitada da energia vital do Universo, por quem aplica esta energia. 

É um método que consiste na aplicação de uma energia através da imposição de mãos na pessoa a receber, geralmente deitada sob uma maca (devido ao conforto e relaxamento) em um local silencioso. Quem aplica o Reiki foi iniciado nessa técnica e conhece símbolos que servem para ampliar e intensificar os efeitos da energia.

Não envolve rituais, dogmas ou conceitos filosóficos, de modo que não depende de qualquer tipo de crença ou religião para promover a cura.

É uma técnica energética que se somada às diversas outras terapias convencionais e alternativas pode trazer resultados extremamente benéficos à saúde, pois o Reiki aumenta os efeitos positivos dessas técnicas sem trazer prejuízos ou efeitos colaterais.

Qualquer pessoa (de qualquer idade, com qualquer enfermidade), animais, plantas e locais, podem receber essa energia.

O Reiki equilibra a energia física, emocional, mental e espiritual, elevando a pessoa que recebe a um nível de harmonização profunda em todos os campos energéticos ou chakras. É possível fazer a limpeza energética de um local específico com o Reiki também.

É prudente dizer que quem recebe a energia Reki deve estar receptivo à ela para um resultado realmente próspero. O universo e suas energias não farão nada a favor de alguém sem seu consentimento, aprovação e querer. Por isso, para um tratamento eficaz é necessário querer a mudança e a cura. O Reiki não deve ser considerado um sistema milagroso de cura, uma vez que a denominada "cura" além de ser bem complexa na sua definição, ainda dependem do merecimento, do discernimento e da vontade de quem a quer.
Estar com os pensamentos elevados e disposto a receber o que há de mais Divino no Universo é suficiente para ter uma ótima sessão de Reiki!


A história do Reiki


Mikao Usui dirigia uma escola cristã em Kyoto, Japão, no final do sec. XIX. Um dia seus alunos lhe  perguntaram: “na Bíblia, é dito que Jesus curava os doentes. O senhor aceita isso como está escrito, o  senhor já presenciou uma cura como essa ?” Dr. Usui disse que aceitava plenamente mas que nunca havia  presenciado. Os estudantes então disseram que esse tipo de fé cega talvez fosse suficiente para um homem  vivido e experiente, mas, que para eles que ainda começavam suas vidas, cheios de indagações, era  importante assistir a uma cura com seus próprios olhos. 

No dia seguinte, Dr. Usui ainda inquieta com a indagação do aluno, renunciou à sua posição na escola e partiu para os Estados Unidos, para a  Universidade de Chicago, com o objetivo de aprofundar seus conhecimentos da Bíblia, o que não trouxe  respostas às suas questões. 

Resolveu então dirigir suas buscas para as escrituras budistas, pois sustentava-se que Buda também  realizava curas. Voltou ao Japão e, instalado num mosteiro Zen estudou os Sutras em japonês, em chinês e nada encontrando, aprendeu sânscrito para poder pesquisar as escrituras na língua em que foram escritas originalmente.

É quando descobre referências aos métodos e símbolos utilizados por Buda na realização da 
cura.  Embora tivesse encontrado o que buscava, sabia que ainda lhe faltavam peças importantes para que ele  próprio pudesse também curar. Decide-se a jejuar e meditar por 21 dias numa montanha considerada  sagrada nos arredores de Kyoto. Avisou aos mais próximos, que se ele não voltasse ao final dos 21 dias, que  poderiam ir buscar o seu corpo na montanha. Juntou 21 pequenas pedras e, a cada dia que passava, atirava  fora uma delas. 

Ao 21º dia, antes do amanhecer, uma luz muito brilhante veio de longe e foi-se aproximando até ir de  encontro a sua testa. Num primeiro impulso, Usui pensa em desviar, aí ele pensa nos anos que passou procurando a resposta. Aí ele fica quieto e sente-se preparado para passar por esta experiência. Usui cai e  fica “inconsciente”, e quando volta a si, o sol já estava alto, e ele tinha toda a memória do que ocorreu  durante todo esse período de tempo. 

Quando a luz bateu bateu em sua cabeça, ele viu lindas cores, uma depois da outra e as cores do arco íris. Ele ficou banhado por uma intensa luz branca (talvez a mesma visão  da “Clara Luz” descritas pelos lamas tibetanos no momento da transição, ou nesses momentos de salto para  elevação de consciência), depois, grandes bolhas de luz contendo os símbolos descobertos nos Sutras  passavam na frente de seus olhos.  Usui vai recebendo as informações de como utilizar cada um deles. Enquanto as bolhas se movimentavam no campo de sua visão, as instruções de uso dos símbolos foram-lhe dadas. 

Assim que ele retinha a informação  na memória, a bolha se movimentava indo embora e outra com um símbolo diferente se aparecia no seu lugar. Dessa maneira ele recebeu os ensinamentos e significado dos símbolos.

Na verdade Usui estava ali sentado, presente…nada mais. Estava também entregue, entregue ao  mistério, ao universo, estava decidido, contemplando a si mesmo com tanta profundidade que podia  contemplar a Consciência Universal, e recebeu assim, seu presente. 

Para ver a verdade Usui se silenciou  como ela, se moveu como ela, dançou sua dança entre o desejo pela cura da vida e o risco da morte na  montanha. 
Curar-se é caminhar em direção a si mesmo.

Voltando do transe, não se sentia mais exausto ou faminto como nos últimos dias de jejum. Havia  encontrado o que buscava. Da montanha até o mosteiro teve várias chances de experimentar aquilo que chamou de Reiki. 

Cuidou  de um ferimento no próprio dedo do pé, fruto de um tropeção na descida da montanha, aliviou uma forte dor de dente de uma menina que lhe servia a primeira refeição após o jejum e, finalmente, tratou do monge  que dirigia o mosteiro de grande sofrimento causado por artrite. 

Dr. Usui decide-se por viver entre os mendigos na esperança de ajudá-los a reintegrar-se ao trabalho e  à comunidade, mas sete anos depois percebe que sua tentativa for a em vão, já que, mesmo fortalecidos,  eles preferiam voltar à mendicância ao invés de trabalhar. 

É nesse momento que Usui cria os chamados cinco princípios espirituais do Reiki e passa a viajar,  ensinando e tratando com Reiki.


Cinco Princípios do Reiki

Mikao Usui, a partir de suas experiências com alguns mendigos, que se fortaleciam com o Reiki e tempos depois voltavam à mendicância, resolveu criar ensinamentos espirituais e um código de ética para o viver diário. Cada um encontrará a sua forma singular de se relacionar com eles. São também um convite a observar mais detalhadamente essas questões. 

Os cinco princípios são os seguintes: 

1. Só por hoje, não te preocupes.

A preocupação nos tira do momento, que na verdade, é o único momento  em que podemos viver. Os momentos que passamos preocupados são momentos perdidos. Quando  pensamos sobre o passado ou nos preocupamos sobre o futuro, não estamos vivendo. Estamos recordando  ou projetando. Mesmo que sejam recordações ou projeções que achamos significativas, não estamos  vivendo, não estamos presentes. A quietude e a felicidade no coração não serão possíveis se não soubermos 
experimentar o momento. Quando estamos pré-ocupados, vale nos questionarmos, por exemplo, como nos sentimos quando  estamos assim, quais as coisas que nos preocupam em geral, como trato os outros quando estou  preocupado, o que podemos fazer para diminuir nossas preocupações, podemos ser compassivos conosco  nesses momentos? 

2. Só por hoje, não tenhas raiva.

A raiva, na verdade, não é uma “raiz”, é uma reação. Por trás da raiva,  geralmente há alguma dor, e por sua vez, por trás da dor escondem-se traços da nossa personalidade que  não puderam se desenvolver plenamente, há aqui um acolhimento, há também um encontro com algum  talento ou criatividade ainda não totalmente expressos. Mais uma vez, é um convite a olharmos para nós  mesmos com maior profundidade. Sabemos também que a raiva nos tira do nosso juízo, do nosso equilíbrio,  é uma lente turva. Quando estamos sentindo raiva e temos a habilidade em contatá-la e observá-la sem  nenhum julgamento, podemos, quem sabe, liberá-la e não nos aprisionarmos a ela. Da mesma forma quando  nos pertimimos contatá-la simplesmente em nós, podemos, a partir daí, sermos capazes de percebê-la no  outro, podemos ver o outro além da raiva. 

3. Honra teus pais, professores e mais velhos.

Expresse sua gratidão! Somos evolução, transmissão e troca, somos todos um. 
Recebemos muito de nossos ancestrais, ancestrais familiares, ancestrais “mestres”, ancestrais que  esbarramos pelos nosso caminho, alguém que simplesmente trilhou sua jornada e em algum momento nos mostra sua presença. Recebemos dons, talentos e, inclusive, muitas possibilidades de Cura, às vezes uma  cura muito profunda realmente, de traumas ou dores que caminham por gerações. Em cada momento, em  cada encontro, a possibilidade do aprendizado, do encontro, do afeto, da gratidão. 

4. Ganha tua vida honestamente.

Em primeiro lugar, “ganha” a vida. O que significa ganhar a vida, senão  vivê-la em toda sua plenitude e presença. Viver com a vibração do coração, estar entregue à jornada do Ser. 
Ter vitalidade e sabedoria para “ganhar” o que é essencial para o viver bem, seja em termos de  relacionamentos, afetos, trabalhos ou recursos financeiros. Ganha sua vida mantendo-se íntegro com o seu  Ser. Esta expressão não se refere apenas ao ser honesto com os demais em seu trabalho, mas ser honesto consigo mesmo naquele trabalho: " É esse trabalho que me satifaz como pessoa? Eu pago todas as minhas contas, mas sou feliz ao realizá-lo?" Essa indagação as vezes nos traz estranheza, já que muitos acham que onde se ganha o pão, não há satisfação... Deveríamos ser 24h por dia íntegros conosco e felizes com o que vivemos, e procurar em nossos talentos um meio de "ganharmos a vida".

5. Seja gentil com todos, demonstra gratidão a tudo o que é vivo.

Há uma expressão usada dentro do  xamanismo, antes de se iniciar alguns rituais, onde se diz “ por todos nossos relacionamentos”. Uma gratidão profunda por todos os seres vivos (inclusive animais, plantas) com os quais nos relacionamos em qualquer  momento de nossas vidas. Todos os encontros, todas as trocas são, na verdade, trocas e experiências entre 
divindades, quer estejamos conscientes ou não.


Quando entramos em contato com a energia do Reiki e vivemos os seus princípios uma grande "porta" se abre diante de nós e nos convida a uma profunda harmonia, paz e alegria. Essa é a porta que nos conduz para dentro de nós mesmos, para nossa essência e a verdade absoluta. Quando somos um só com o Universo, somos plenos, saudáveis e prósperos. Essa é a grande verdade. 
O Reiki nos possibilita receber a energia que nos moverá a esse grande encontro, que nos trará equilíbrio para tomar as melhores decisões e que nos fará perceber que somos os grandes co-criadores para tudo que ocorre conosco e em nossa vida.

Aqui em nosso espaço, possibilitamos as pessoas entrarem em contato com essa energia e para nós é uma imensa satisfação recebê-los aqui.
Caso haja interesse em conhecer mais sobre o Reiki, fale conosco!

Temos as sessões de Reiki e também o curso! Acesse: http://www.sendadeluz.com.br/cursos-e-palestras para todas as informações sobre o curso em nosso espaço!











Nenhum comentário:

Postar um comentário